Responsabilidade Social   Proteção Continuada

Notícias > Dezembro 2006

Tendências de mercado favorável aos citricultores em 2007

O mercado do suco de laranja deve se manter firme em 2007, com os preços firmes no mercado internacional e os estoques baixos nas processadoras, tanto no Brasil, quanto nos Estados Unidos, países que praticamente dominam a produção da bebida. Já a colheita da fruta em São Paulo, que ficará entre 340 e 350 milhões de caixas de 40,8 Kg na safra 2006/2007, será necessariamente menor na próxima safra, a partir de meados do ano que vem, devido à bianualidade da cultura.

O processamento da atual safra brasileira, estimado em 300 milhões de caixas de 40,8 Kg, deve ser todo comercializado, ou seja, não haverá estoques também no início da safra 2007/2008, em julho do próximo ano.

Neste ano, no mesmo período, os estoques nas indústrias de suco de laranja eram de 31 mil toneladas, ante 110 mil toneladas no mesmo período de 2005. O nível de estoque é baixíssimo e as indústrias estão tendo de produzir primeiro para exportar depois, segundo a Associação Brasileira dos Exportadores de Cítricos (Abecitrus).

A Abecitrus já avalia que serão comercializadas no exterior nesta safra, entre julho de 2006 e junho de 2007, cerca de 1,2 milhão de toneladas, ante 1,34 milhão de toneladas na safra passada e 1,41 milhão de toneladas na safra recorde 2004/2005.

A queda nas exportações será compensada no faturamento pelos preços altos do suco de laranja. Empresas que processam o suco no Brasil dão como certo o aumento de até 50% nos
próximos 12 meses no faturamento, refletido pelos contratos já firmados.

Segundo a Abecitrus, o ano de 2007 deve marcar ainda a consolidação do mercado asiático para o suco de laranja brasileiro e até mesmo um aumento das exportações para os Estados Unidos, que, no ano passado, ampliaram a taxação à bebida sob acusação de prática de dumping pelas processadoras do País.

O preço para o mercado norte-americano subiu 7%, mas a produção
deles caiu 8% e sem a menor perspectiva de uma recuperação. O consumo então vai regular essa diferença e o único fornecedor é o Brasil.

O cenário de baixa produção e de ausência estoques vai manter a cotação do suco de laranja concentrado e congelado (FCOJ) na Bolsa de Nova York (Nybot) próxima dos 200 cents (US$ 2,00) por libra-peso e beirar os até então inimagináveis US$ 2.900 por tonelada no mercado, níveis só vistos no início da década de 90 do século passado.

Mas esses valores, na avaliação de processadoras e exportadoras do Brasil, já são o teto para o suco de laranja. No entanto, apesar do cenário otimista, todos os fundamentos que poderiam pressionar a cotação do suco na bolsa já foram refletidos no mercado futuro.

Além da indústria, quem também deve se beneficiar com a disparada do suco de laranja no mercado futuro é boa parte dos produtores fornecedores da fruta para o processamento no Brasil.

De acordo com a Abecitrus, vários citricultores têm contratos com remuneração pela caixa da fruta que prevêem um pagamento de um prêmio atrelado à cotação do FCOJ no mercado internacional.

Os produtores que têm contratos fixos conseguem até US$ 4,00 por caixa de 40,8 Kg e os que vendem as frutas sem contrato, no mercado spot, chegam a receber mais de US$ 5,00 por caixa de 40,8 Kg.

Outra esperança para o próximo ano é o avanço das conversas entre UE e Mercosul para a redução pela metade em quatro anos da tarifa imposta à bebida, hoje em 15,5%.

A União Européia respondeu por 65% das importações de suco de laranja brasileiro na safra 2005/2006, encerrada em julho, com um volume de 872,8 mil toneladas ante um total comercializado pelo País de 1,34 milhão de toneladas no período.

Fonte: Abecitrus.



    Facebook

Copyright ® 1968 - Citrograf Mudas - Desenvolvimento: Fóton